570S ganha coleção inspirada na história de corridas da McLaren

 

A 570S ganhou uma coleção inspirada na história de corrida da McLaren. É a “Racing Through the Ages” (“Corrida Através dos Tempos”, em tradução livre) criada pela MSO (McLaren Special Operacions) a pedido da concessionária da marca em Beverly Hills, nos Estados Unidos. O tema foi usado em uma 570S Coupe e uma 570S Spider para cada fase, totalizando seis carros.

A coleção destaca três eras que a McLaren considera importantes em sua história: Muriwai, Papaya Spark e Sarthe Grey. A Muriwai celebra as primeiras façanhas de Bruce McLaren na Nova Zelândia. Já a Papaya Spark homenageia as vitórias da equipe na Fórmula 1 nas décadas de 1960 e 1970, quando usava a cor laranja. A Sarthe Gray é inspirada pela vitória da McLaren em Le Mans em 1995. Foi a única vez que um fabricante venceu Le Mans em sua estreia.

O que muda na McLaren 570S

A coleção “Racing Through the Ages” foi apresentada na terça-feira à noite (11) durante o evento “An Evening with MSO” (“Uma Noite com a MSO”), em Beverly Hills. Cada 570S é equipada com um aerofólio personalizado e possui uma faixa de corrida GT4 no capô exterior e teto. As modificações incluem o uso de detalhes em preto, rodas superleves de 10 raios em preto gloss e sistema de escapamento esportivo de titânio.

A McLaren 570S também ganhou modificações no interior. A faixa GT4 também aparece nos encostos dos bancos. Além disso, o logótipo MSO foi costurado no apoio de cabeça, bem como uma marca McLaren Orange 12 no volante. Cada carro também possui uma placa de identificação que diz: “1 de 6 – Racing Through the Ages” e vem com uma chave que combina com a pintura no

 

 

Os detalhes de cada tema

O tema Muriwai é representado pela pintura externa em branco, cor inspirada nas ondas brancas e azuis na Muriwai Beach, na Nova Zelândia, onde Bruce McLaren competiu em sua primeira corrida aos 15 anos. Muriwai também era o nome de a casa que ele mais tarde construiu em Woking, na Inglaterra, que ele pintou de branco com venezianas azuis. A cor se estende até as placas finais do aerofólio, que também apresentam o logotipo “Speedy Kiwi” em laranja McLaren.

Papaya Spark é representado pela cor que leva o mesmo nome, que é uma evolução da cor de mamão que Bruce McLaren escolheu para seus carros de corrida nos anos 1960 e 1970. Grandes sucessos nas provas Can-Am, Indy 500 e Fórmula 1 foram alcançados com carros desta cor. O aerofólio tem acabamento em azul com placas finais em papaya spark, prestando homenagem aos icônicos spoilers azuis dos carros de corrida originais.

McLaren 570S chega aos 328 km/h

O tema Sarthe Grey comemora a vitória em Le Mans de 1995. A McLaren F1 GTR conquistou o primeiro, terceiro, quarto, quinto e 13º lugares. Os carros tem a cor cinza, remetendo a do F1 GTR # 01. Já o nome é em homenagem ao Circuito de la Sarthe, onde é disputada a Le Mans. As chapas do aerofólio também são em cinza, com a frase “24 Heures du Mans – Winners 1995” em letras brancas.

As alterações na McLaren 570S foram estéticas. A parte mecânica não foi alterada. O carro é equipado com um motor V8 turbo de 3.8 litros, que gera 570 cavalos de potência a 7.500 rpm e 61,2 kgfm de torque a 5.000 giros. Ele está associado a um câmbio automatizado de sete marchas. O modelo atinge os 328 km/h de velocidade máxima, depois de fazer de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos.